Quem escreveu o livro?

Só porque Paulo visitou a cidade, pregou o evangelho por semanas ou até meses e fundou uma igreja orientando os convertidos à fé, isso não protegeu a nova igreja de tramas hereges. Na verdade, a imaturidade de qualquer nova igreja seria um alvo perfeito para aqueles que quisessem enganar e distorcer a verdade. Paulo, preocupado com seus amigos e seus problemas com os falsos mestres, escreveu esta segunda carta aos crentes de Tessalônica, na esperança de encorajar sua fé recente, porém florescente.

Qual o contexto?

Paulo escreveu 2 Tessalonicenses de Corinto em 51d.C.,  alguns meses depois de escrever a primeira carta. Visto que a matéria da segunda carta tem uma série de semelhanças temáticas para com a primeira, Paulo provavelmente havia recebido um segundo relatório da cidade detalhando algumas questões contínuas ou problemas sobre o fim dos tempos. Várias das referências de Paulo indicam que alguns em Tessalônica estavam deliberadamente enganando esses novos convertidos, até mesmo a ponto de falsos mestres forjarem cartas para fazê-las parecer como se tivessem vindo de Paulo (2 Tessalonicenses 2:2). O apóstolo, portanto, teve o cuidado extra nesta carta de certificar-se de que os tessalonicenses entendiam não apenas seus pontos de vista sobre o fim dos tempos, mas também como a caligrafia dele parecia, para que eles fossem capazes de identificar as cartas como autenticamente suas (3:17).

Por que esse livro é tão importante?

Segunda Tessalonicenses distingue-se pelo ensino detalhado que apresenta sobre o fim dos tempos. Os falsos mestres vinham apresentando cartas falsas como se fossem de Paulo e dizendo aos crentes de Tessalônica que o dia do Senhor já havia chegado. Isso era especialmente preocupante para eles, porque Paulo havia os encorajado, em sua carta anterior, que eles seriam arrebatados antes que o dia da ira viesse sobre a terra.
Então Paulo explicou-lhes que este tempo futuro da tribulação ainda não havia chegado, pois um certo “homem do pecado” ainda não fora revelado (2 Tessalonicenses 2:3). As comparações com outras passagens em Daniel, Mateus e Apocalipse revelam que este homem não é ninguém menos que o Anticristo. Mas Paulo encorajou os tessalonicenses a não se preocuparem, porque o Anticristo não viria até que um misterioso detentor— os tessalonicenses aparentemente sabiam de sua identidade – fosse retirado da terra (2:6-7). A identidade deste detentor tem sido fortemente debatida, embora devido à natureza do trabalho que este faz, Ele é provavelmente o Espírito de Deus que trabalha repetidamente através da igreja. Quando os fiéis deixarem a terra no arrebatamento, todos os que permanecerem irão experimentar a ira da tribulação.

Qual é a ideia principal?

O apóstolo Paulo, em preocupação com os crentes de Tessalônica que estavam tentando se manter firmes em sua fé sob a pressão dos falsos mestres, ensinou aos tessalonicenses nesta carta que a sua esperança no futuro retorno de Cristo deve servir como um incentivo para eles em seu sofrimento, motivando-os a viverem de forma responsável para Ele. Paulo sempre ligava o seu ensinamento sobre Jesus com o crescimento prático que ele esperava ver como resultado de uma fé profundamente arraigada.

Como colocar em prática?

A disciplina e o autocontrole são duas qualidades que rapidamente escapam em uma sociedade tão centrada no material, fazendo as pessoas se esquecerem das realidades espirituais que devem ditar suas vidas. Inflados com o sucesso financeiro e material, muitos se rebaixaram a uma existência indisciplinada e preguiçosa, que possui pouco cuidado para com os outros, especialmente os que podem entrar em conflito com os nossos desejos carnais e pessoais. Como é que a sua vida diária entra em conflito com o desejo de Deus para você viver bem e servir os outros?
Paulo sabia que a esperança em Cristo iria encorajar a perseverança na vida piedosa. E a esperança é exatamente o que nos falta hoje em dia, uma das grandes raízes desse deslizamento gradual para o aumento de egocentrismo. Ao ler as palavras de 2 Tessalonicenses, permita que estas reacendam sua esperança e o seu desejo de viver de forma diligente e honrosa a Deus.


Artigos