Quem escreveu o livro?

Pouco sabemos sobre o profeta Joel além de alguns detalhes pessoais contidos no próprio livro. Ele se identificou como o filho de Petuel, que pregou para o povo de Judá e expressou um grande interesse em Jerusalém. Joel também fez vários comentários sobre os sacerdotes e o templo, o que indica uma familiaridade com o centro de culto em Judá (Joel 1:13-14; 2:14, 17). Joel se baseou muitas vezes nas imagens naturais, como o sol e a lua, a grama e os gafanhotos; e, em geral, pareceu entender a realidade de que a verdade deve ter um impacto sobre nós no mundo real.

Qual o contexto?

Estabelecer a data da escrita do livro de Joel continua sendo uma das tarefas mais difíceis para os estudiosos do Antigo Testamento, pois diferentemente da maioria dos escritores proféticos, Joel não deu nenhuma indicação explícita do seu período de tempo. Em particular, Joel se absteve de mencionar os reis governantes da época. Um dos argumentos mais fortes para datar a escrita do livro de Joel explica essa omissão, sugerindo que a profecia ocorreu no rescaldo da única rainha governante de Judá, Atalia (835 a.C.). Após a sua morte, ela deixou apenas seu neto de pouca idade, Joás, a ser coroado. Mas como Joás era muito jovem para governar, o sacerdote Joiada governou em seu lugar até que ele alcançasse a idade. Então, se Joel profetizou durante este período de tutelagem, não faria sentido se ele mencionasse algum rei oficial. O livro de Joel também faz ampla menção a sacerdotes, rituais do templo e nações, como a Fenícia, Filístia, Egito e Edom, que foram destaques no final do século IX a.C. Tudo isso aponta para uma data aproximada de 835 a.C., ou logo após, fazendo Joel um dos primeiros profetas escritores, bem como um contemporâneo do profeta Eliseu.
O livro foca seu juízo profético sobre o reino sul de Judá, com frequentes referências a Sião e o culto no templo (Joel 1:13-14; 2:23, 32; 3:16, 21). A familiaridade de Joel com esta área e o culto no templo sugere que ele tenha vivido em Judá, possivelmente, até mesmo na própria cidade de Jerusalém.

Por que esse livro é tão importante?

O livro dá importância a Joel no cânon das Escrituras por ser o primeiro a desenvolver uma ideia bíblica frequentemente mencionada: o dia do Senhor. Enquanto Obadias mencionou o evento aterrorizante primeiro (Obadias 15), o livro de Joel dá alguns dos detalhes mais marcantes e específicos de toda a Bíblia sobre o dia do Senhor – dias camuflados na escuridão, exércitos que conquistam como o fogo consumidor e da lua tornando se transformando em sangue. Enraizado em imagens físicas tão vibrantes, esse tempo do julgamento final ainda é futuro para nós hoje (2 Tessalonicenses 2:2; 2 Pedro 3:10) e deixa clara a seriedade do juízo de Deus sobre o pecado.

Qual é a ideia principal?

Usando a praga de gafanhotos em Judá, que era bem conhecida naquela época, Joel aproveitou uma tragédia recente para propagar a mensagem do juízo do Senhor e da esperança de arrependimento. Ao referir-se à terrível praga de gafanhotos, Joel foi capaz de tocar a vida dos seus ouvintes e imprimir a mensagem de juízo em suas mentes, como o ferro em brasa marcando a pele do animal.
Um comentarista observa que o dia do Senhor, que é uma referência a não apenas um dia, mas a um período de julgamento e restauração, consiste de três características básicas:

– O julgamento do povo de Deus
– O julgamento de nações estrangeiras
– A purificação e restauração do povo de Deus através de um sofrimento intenso.¹

Encontramos cada um desses elementos no livro de Joel, já que ele oferece uma das imagens mais completas deste evento essencialmente redentor, que podemos encontrar na Bíblia (Joel 2:1-11; 2:28-32; 3:1-16).

Como colocar em prática?

Visões do futuro, tais como o tipo que encontramos em Joel ou mesmo nas páginas do livro de Apocalipse, muitas vezes podem parecer distantes do nosso dia-a-dia. No entanto, as suas imagens vívidas de destruição devem servir para nos despertar da nossa inércia espiritual. Você já lutou com o sentimento de complacência? Uma forte dose de imagens apocalípticas como encontramos em Joel poderia  abrir seus olhos para a necessidade de seguir fielmente a Deus em cada momento de sua vida.

Notas de rodapé

  1. Robert B. Chisholm, Jr., “Joel”, em The Bible Knowledge Commentary: Old Testament, ed. John F. Walvoord e Roy B. Zuck (Wheaton, Ill.: Victor Books, 1985), 1412.

Artigos