Veja como e por que Jesus disse que deveríamos orar

Um bar estava sendo construído em uma cidade sob a influência da Lei Seca. Um grupo de cristãos se opôs à construção e começaram uma reunião de oração durante toda a noite, pedindo a Deus para intervir.

Um raio atingiu o prédio e o queimou até o chão. Então o dono do bar entrou com uma ação judicial contra os cristãos, alegando que eles eram os responsáveis. Os cristãos contrataram um advogado, alegando o contrário. O juiz disse: “Não importa como este caso venha a resultar, uma coisa é clara: o dono do bar acredita em oração e os cristãos não”.

Você realmente acredita em oração? A prova vai estar no seu esforço, e não na sua declaração. Então, se você tiver a esperança de conhecer a Deus e, assim, conhecer a si mesmo, você deve orar.

No artigo “Pelo que Jesus diz que você deveria orar” nós definimos a oração como “pedir ao Pai as coisas certas do jeito certo”. Mas, como também dissemos no mesmo artigo, essa definição não explica tudo sobre a oração. A oração é ouvir, adorar e moldar as nossas vontades na vontade de Deus.

Na primeira parte, discutimos as cinco coisas que devemos pedir ao orar:

  1. Devemos orar para que a reputação de Deus seja revelada como santa em nossas vidas (Lucas 11: 2).
  2. Devemos orar para que o amor e a justiça de Deus reinem na terra (Mateus 6:10, Lucas 11: 2).
  3. Devemos orar pelas provisões diárias (Lucas 11: 3).
  4. Devemos orar pelo perdão dos pecados (11: 4).
  5. Devemos orar para que Deus nos proteja da tentação (11: 4).

Neste artigo, veremos como devemos orar e por que devemos orar dessa maneira.

Como devemos orar

Depois de ter instruído Seus discípulos sobre o que orar, Jesus chamou a sua atenção, contando-lhes uma história sobre como eles deviam orar. Aqui está na versão A Mensagem:

“Imaginem o que aconteceria se vocês fossem à casa de um amigo no meio da noite e pedissem: ‘Amigo, empreste-me três pães. Um velho amigo acabou de chegar de viagem. Está lá em casa, e não tenho nada para oferecer a ele’. Já na cama, seu amigo responde: ‘Não me incomode! Já tranquei a porta, e meus filhos estão dormindo. Não posso me levantar para dar a você seja lá o que for!’. Digo a vocês: se ele não se levantar pela amizade, vai se levantar por causa da insistência e dar tudo que o amigo está pedindo. (Lucas 11: 5-8)

Na cultura judaica antiga a hospitalidade era muito importante. Ao entrar em uma casa, um anfitrião o cumprimentaria com uma bênção verbal de shalom ou “paz”, e depois com um beijo de amizade na bochecha. O anfitrião, então, asseguraria que seus pés fossem lavados, para remover a sujeira das estradas empoeiradas do Israel. Finalmente, o seu anfitrião iria servir uma refeição. Se você apareceu após a refeição da noite, você só iria receber pão e azeitonas, mas se esperava que os hóspedes recebessem algo para comer.

Para ter uma idéia de quão importante era a hospitalidade no tempo de Cristo, tudo o que precisamos fazer é olhar através da janela da casa de Simão, o fariseu em Lucas 7. Simão tinha convidado Jesus para uma refeição, e enquanto Jesus estava reclinado à mesa, uma mulher, ou prostituta, veio e ungiu os pés Dele com perfume, lavando-os com suas lágrimas e secando-os com os seus cabelos (7: 36-38). Simão disse para si mesmo, no versículo 39: “Se este homem fosse profeta, saberia quem nele está tocando e que tipo de mulher ela é: uma ‘pecadora’”. Bem, Jesus sabia o que Simão estava pensando, por isso, ele deu a Simão um teste sobre o perdão, um teste destinado a sondar as profundezas do amor de Simão (7: 40-43). Vamos espiar sobre o ombro de Jesus e ver como Ele deu a nota no exame de Simão:

“Então, voltou-se para a mulher, mas, ainda falando a Simão, [Jesus] perguntou: ‘Vê essa mulher? Eu vim à sua casa, e você não me trouxe água para os pés; ela, porém, derramou lágrimas nos meus pés e os enxugou com os cabelos. Você nem me cumprimentou direito, mas, desde a hora em que cheguei aqui, ela não se cansa de beijar meus pés. Você não me recebeu como é nosso costume, derramando azeite em minha cabeça, mas ela perfumou meus pés. Não foi assim mesmo? A razão de tudo é que ela foi perdoada de muitos pecados, por isso está tão agradecida. Quem recebe pouco perdão mostra pequena gratidão’”. (7: 44-47 A Mensagem)

Ai ai ai!

Quando o visitante da meia-noite apareceu em Lucas 11, o anfitrião não podia simplesmente dar uma desculpa de uma despensa vazia; ele tinha que alimentar seu visitante com algo. Então ele bateu na porta de seu vizinho. O vizinho não tinha obrigação de sair da cama e fazer um alvoroço em sua cozinha; pois o visitante da meia-noite não era sua visita. Então, por que o vizinho cedeu? Jesus afirmou que não é por causa de sua amizade (11:8). Então, por que?

O vizinho destrancou a porta, acendeu uma lâmpada, e acompanhou o amigo até a cozinha para fazer um sanduíche de carne de carneiro, alface e tomate. (Os judeus não comem carne de porco!). O vizinho fez isso por causa da “insistência” do amigo, ou da sua “importunação” (NVI). O amigo foi insistente ao ponto de faltar vergonha na cara.

Sem vergonha. Importuno. Audacioso. Isto é o que caracteriza o amigo que veio ao seu vizinho no meio da noite.

Quando eu estava crescendo, meu melhor amigo, Randy, morava a apenas algumas quadras da minha casa. Depois da escola, Randy corria para a casa, deixava seus livros e, em seguida, muitas vezes vinha à minha casa. Mas Randy nunca bateu em nossa porta. Ele simplesmente entrava direto… passando pela sala de estar, ele diria: “Oi Jeter, o que você está fazendo?” e continuava andando… direto para a geladeira para fazer um sanduíche e se servir com um copo de leite.

Audacioso. Importuno. Sem vergonha. É assim que Randy tratava a minha família. E nós não tínhamos o que fazer! Nem Deus. Quando você vem ao Pai em oração, Jesus disse, venha audaciosamente, venha descaradamente, chegue com confiança. Não entre na presença do Pai como uma ovelha em pele de ovelha. Não fale com Ele com uma voz tímida, gemendo seus pedidos. Se você é um seguidor de Jesus, adotado na família de Deus, você é um filho do Rei. Mantenha sua cabeça erguida e faça com que seu pedido seja conhecido.

Agora, não confunda Deus como sendo o vizinho mal-humorado na parábola. Ele não é. Deus é um pai bondoso e amoroso. A chave é: se um vizinho mal-humorado pode dar boas dádivas por causa da importunação do seu amigo, quanto mais Deus dará boas coisas aos Seus filhos que pedem com ousadia?

Por que orar desta maneira

Nós podemos chegar com confiança na presença de Deus, porque Jesus nos disse que o Pai promete responder as nossas orações.

“Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta”.(Lucas 11:9-10).

A Mensagem diz mais diretamente:

“Isto é o que quero dizer: Peçam e conseguirão; Busquem e acharão; Batam, e alguém abrirá a porta. Não barganhem com Deus. Sejam objetivos. Peçam aquilo de que estão precisando. Não estamos num jogo de gato e rato, nem de esconde-esconde”.

Quando você se aproximar de Deus com uma necessidade, ore, não exija, e Deus vai conceder o seu pedido. Persiga, mas não espere passivamente, e Deus vai revelá-lo. Bata, não chute na porta, e Deus vai desbloqueá-la. O que você tem pedido, buscado, ou corrido atrás? Você foi corajoso sem ser agressivo? Ou você tem sido frouxo e desapaixonado?

Esta promessa não é um cheque em branco para toda e qualquer oração. Deus não é obrigado a responder a todas nossas orações, mas Ele escolhe responder a algumas… mas nem sempre. Então, se Deus não responder a sua oração, o que você faz?

Bem, verifique o seu coração. Existe algum pecado que você não confessou e está escondido em algum canto? Existe alguém a quem você precisa pedir perdão ou alguém que você precisa perdoar? Verifique os seus motivos. Você está orando em fé e obediência à Palavra de Deus e guia do Espírito Santo? Você está disposto a fazer a vontade de Deus a todo o custo? Se tudo estiver bem com o seu coração e seus motivos, e sua oração ainda permanecer sem resposta, então espere pacientemente e seja persistente em pedir, buscar e bater à porta.

Mesmo que Deus não esteja sob nenhuma obrigação de responder às nossas orações, por que Ele escolheria fazer isso? Jesus nos diz que é porque os pais gostam de dar aos seus filhos boas dádivas.

“Qual pai, entre vocês, se o filho lhe pedir um peixe, em lugar disso lhe dará uma cobra? Ou se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!” (11:11-13)

Se nós, que somos maus em comparação a Deus (e somos), amamos nossos filhos o suficiente para dar-lhes presentes úteis em vez de prejudiciais, então muito mais Deus vai nos dar as boas dádivas, incluindo o dom do Consolador e Mestre, o dom da habitação do Espírito Santo de Deus.

Deus fica muito feliz em dar tudo de Si mesmo quando chegamos a Ele em oração e quando oramos para as coisas certas do jeito certo.

A oração é a maior e mais importante conversa que vamos ter durante todo o dia. Através de simples expressões humanas, a oração toca o coração divino. Lábios infantis podem hesitar e lábios inteligentes podem equivocar, mas para ambos, o Senhor ouve no Seu céu e age sobre a Sua terra. Orar é respirar o ar do céu e sussurrar no ouvido de Deus. Então, tome um momento e respire fundo e sussurre uma oração no ouvido Dele.

Adaptado de Derrick G. Jeter, “The Spiritual Discipline of Prayer, Part 1,” da série Building Spiritual Muscles, Coffee House Fellowship, Stonebriar Community Church, Frisco, TX, January 25, 2009. Copyright © 2009 por Derrick G. Jeter. Todos os direitos reservados mundialmente. Usado com permissão.

Postado em Oração e marcado , .

Derrick G. Jeter possui um Mestrado em Teologia no Seminário Teológico de Dallas e serviu como um dos escritores no Departamento de Ministérios Criativos nos Ministérios Insight For Living. Ele foi o autor o co-autor de mais de vinte e cinco livros. Os escritos de Derrick aparecem em sites influentes, ele é um colaborador do The Christian Post. Ele e sua esposa, Christy, têm cinco filhos e vivem na área de Dallas. Ele também é autor do blog www.DerrickJeter.com.