Quem escreveu o livro?

O apóstolo João identificou-se em 3 João apenas como “o presbítero” (3 João 1:1), como ele fez em 2 João. Ao escrever esta sua epístola final, João estava se aproximando do fim de sua vida – uma vida que mudara dramaticamente cerca de seis décadas antes, quando Jesus chamou João e seu irmão Tiago para deixar o seu barco de pesca. Os jovens deixaram seu meio de subsistência e seu pai, Zebedeu, para seguir Jesus (Mateus 4: 21-22). Enquanto Tiago foi o primeiro dos doze discípulos a morrer por sua fé, João viveu mais que todos os outros. João referiu a si mesmo em seu evangelho como “o discípulo a quem Jesus amava” (João 21:20), um título que destaca um dos grandes temas entre todas as contribuições bíblicas de João, incluindo 3 João – o amor de Deus agindo na vida dos seres humanos.

Qual o contexto?

Embora não possamos identificar a data com certeza, devido à falta de informação específica na carta, 3 João foi provavelmente escrita por volta do ano 90 d.C. da ilha de Patmos, onde João estava exilado na época. João escreveu sua carta a Gaio, um líder de uma ou mais igrejas na Ásia Menor. O apóstolo tinha recebido um relatório sobre algumas dificuldades causadas por um homem chamado Diótrefes e João escreveu para orientar Gaio sobre a maneira correta de lidar com os problemas.

Por que esse livro é tão importante?

Enquanto Gaio lidava com certos problemas em sua área, João queria orientá-lo, não só na forma de responder às provações, mas também como se relacionar com aqueles que proclamavam a verdade. As três epístolas de João estão principalmente preocupadas com a questão da comunhão – com Deus, com os inimigos do evangelho e, no caso da Terceira João, com aqueles que proclamam a verdade. João queria garantir uma recepção calorosa das igrejas para aqueles pregadores itinerantes do evangelho, oferecendo-lhes hospitalidade e uma despedida “de modo agradável a Deus” (3 João 1:6).

Qual é a ideia principal?

Problemas assolavam a Igreja na Ásia. Diótrefes havia tomado o controle de uma das igrejas da região e usou seu poder para proibir certos missionários itinerantes de irem à igreja. Em um ponto, a igreja vira algo de qualidade de liderança nele e o colocara no comando, mas agora no topo, o poder subiu à cabeça. Ele se recusou a receber aqueles ministros itinerantes do evangelho para pregar e descansar na sua igreja. E pior ainda, ao receber uma correção anterior de João, Diótrefes se recusou a ouvi-lo (3 João 1:9).
Esta situação preocupante levou João a escrever para Gaio, elogiando os crentes por apegar-se à verdade e fazendo isto com uma atitude amorosa. Esses cristãos se esforçaram para tornar o evangelho uma realidade em suas vidas pela forma como eles tratavam uns aos outros. E João, em resposta a este bom relatório sobre o comportamento desses cristãos “de baixo escalão”, encorajou-os a continuar a amar e apoiar aqueles crentes visitantes que deram de si mesmos e ministravam nas igrejas da Ásia.

Como colocar em prática?

Como você mostra a hospitalidade aos outros cristãos, especialmente aqueles que servem você e outros em sua igreja local e em igrejas ao redor do mundo? Mostrar a hospitalidade aos outros, particularmente aos estranhos, requer um nível de confiança e aceitação que não é necessariamente exigido de nós em nosso cotidiano. Isso nos obriga a contar com um elo comum em Jesus Cristo, mais do que apenas com a relação de sangue ou experiência compartilhada. E nos força a sair da nossa zona de conforto e entrar em um território onde devemos colocar nossa confiança em Deus.
João usou palavras como amor e verdade para descrever este tipo de vida e usou o exemplo negativo de Diótrefes para ilustrar os perigos de ir por um caminho diferente. Como cristãos, temos a responsabilidade de viver de acordo com a verdade que encontramos na vida e ministério de Jesus, para cuidar e apoiar aqueles que servem o povo de Deus. Nosso Senhor foi cercado por pessoas que cuidaram dele. Terceira João nos ensina que devemos fazer o mesmo para aqueles que levam adiante o ensino de Jesus em nossos dias.


Artigos