Quem escreveu o livro?

Depois do exílio, um erudito judeu compilou o material de muitos recursos históricos para narrar a história de seu povo. Essa pessoa não é mencionada e permanece desconhecida, embora Esdras tem sido citado como um possível candidato. Quem quer que seja “o cronista”, ele utilizou os documentos oficiais e não-oficiais para escrever este relato histórico. Como observado anteriormente, 2 Crônicas era originalmente um só volume junto com 1 Crônicas, separados em dois livros desde cerca de 200 a.C., quando a Septuaginta, a versão grega do Antigo Testamento, foi traduzida.

Qual o contexto?

Segundo Crônicas abrange o período desde a ascensão de Salomão ao trono (971 a.C.) até que o reino do sul de Judá foi finalmente levado para o exílio na Babilônia em 586 a.C. O foco do livro está em Judá. O autor estava mais preocupado em contar a história dos descendentes de Davi, que reinou sobre Judá, do que com a história do reino norte de Israel. A centralidade de Jerusalém, onde o templo era localizado, está em acordo com o foco abrangente do livro sobre o sacerdócio também.

Novamente, 2 Crônicas foi provavelmente escrito no século V a.C., “após o regresso de um pequeno grupo de judeus para Judá depois da queda do império babilônico. Com a intenção de reconstruir o templo e se reassentar na Terra Santa, a pequena comunidade logo encontrou dificuldades até para sobreviver”.¹ Os judeus eventualmente reconstruíram o templo, mas se enfraqueceram durante anos em sua luta para recuperar a terra. Foi perante este cenário que o cronista retratou a história judaica, enfocando as bênçãos que Deus concedeu quando os líderes eram fiéis à Sua Lei.

Por que esse livro é tão importante?

O livro começa com Salomão estabelecendo o seu trono sobre uma nação unificada, solidificando a sua autoridade e esmagando as primeiras rebeliões (1 Reis 2). Ele então construiu o magnífico templo de Deus, usando os planos que Deus deu a seu pai, Davi. Seis dos nove capítulos dedicados ao Rei Salomão focam na construção do templo, uma tarefa reservada para ele desde antes de seu nascimento (2 Crônicas 2-7).

Quando o reino foi dividido sob o governo de Roboão, o filho de Salomão, os levitas de todo Israel ficaram do lado dele e reuniram-se em Jerusalém para continuar os seus deveres sacerdotais (10:1-19). Mas o ciclo de justiça e corrupção caracterizava o trono. Alguns reis eram completamente maus, ignorando a Lei de Deus e levando as pessoas a comportamentos pecaminosos. Poucos reis, como Salomão, começaram como justos, mas fraquejaram. Outros desviaram, mas se arrependeram, tal como Manassés (33:1-25). Alguns reis, como Ezequias e Josias, foram homenageados com o epitáfio “ele fez o que o Senhor aprova” (29:2; 34:2). Ao longo de 2 Crônicas, a fidelidade era recompensada e a traição julgada.

O amante da história vai desfrutar das inúmeras menções de figuras históricas seculares durante este período de tempo. Desde Tiglate-Pileser da Assíria, a Senaqueribe da Assíria, até Nabucodonosor da Babilônia, os líderes gentios estrangeiros desempenharam papéis de destaque nos destinos políticos de Judá.

Qual é a ideia principal?

Os judeus do pós-exílio precisavam de um lembrete de quem seu Deus era e como Ele trabalhava. A história fornece a melhor lição para eles. “O autor usa a história de Judá para demonstrar que Deus abençoa o Seu povo quando eles permanecerem fiéis e adoraram ao Senhor com alegria”.²
Um escritor afirmou que:
“A própria história é um chamado à adoração e um convite à esperança. Se a comunidade cambaleante de judeus em Judá colocasse Deus em primeiro lugar como fizeram as gerações piedosas do passado, e mostrassem o seu compromisso por um zelo semelhante à adoração, o Senhor certamente mostraria Sua fidelidade para com eles. A linha de Davi iria mais uma vez tomar o trono de Sião e o reino de Deus seria estabelecido sobre toda a terra”.³

Como colocar em prática?

Como fez aos israelitas, a história pode refrescar nossas memórias. Você consegue se lembrar dos momentos em que Deus abençoou você? Essas memórias são bênçãos em si mesmas, bem como incentivos para prosseguir em santidade, com esperança e confiança.

Se você tiver dificuldade para recordar momentos específicos quando Deus operou em sua vida, considere seus hábitos devocionais. Um diário de oração que relembra orações feitas e aquelas respondidas pode atuar como seu próprio manual de “história”. Deus quer que nos lembremos de Suas obras, para que também possamos louvá-Lo por Sua bondade e tenhamos esperança para o nosso futuro!

 

Notas de rodapé

  1. Larry Richards, The Bible Reader’s Companion (Wheaton, Ill.: Victor Books, 1991), ed. eletrônica, acessado através de Libronix Digital Library System.
  2. Richards, The Bible Reader’s Companion.
  3. Richards, The Bible Reader’s Companion.

Artigos