Quem escreveu o livro?

O livro de Jonas, escrito principalmente em terceira pessoa, não identifica explicitamente o profeta como o autor do seu próprio conto, mas não temos nenhuma razão para duvidar da inspiração ou da veracidade histórica do livro. Identificado no versículo 1 como o filho de Amitai, Jonas veio de uma cidade chamada Gate-Héfer, perto de Nazaré, na área que mais tarde veio a ser conhecido como Galileia (2 Reis 14:25). Isso faz com que Jonas seja um dos poucos profetas vindos do reino norte de Israel.

Qual o contexto?

Durante os anos de Jonas como o profeta, Israel se manteve em alta entre as nações, embora mais no sentido político do que espiritual. O reinado de Jeroboão II (793-753 a.C.), que foi um rei mau perante o Senhor, viu as fronteiras de Israel atingirem sua maior expansão desde a época de Salomão. O aumento da prosperidade criou uma cultura materialista que resultou em injustiça para com os pobres e oprimidos, o que foi uma das principais mensagens proféticas de Amos, o contemporâneo de Jonas.
No entanto, ao invés de dirigir Jonas para profetizar ao seu próprio povo, Deus o comissionou para a capital assíria de Nínive. Relutante desde o início para fazer essa viagem ao nordeste para entregar a mensagem de Deus, Jonas deu as costas e se mandou para o ponto mais distante do oeste conhecido por ele – Társis, localizado na atual Espanha. Depois que Deus finalmente colocou Jonas na rota certa, o profeta obedientemente profetizou ao povo de Nínive, quando Asur-dan III (772-754 a.C.) chegou ao trono na Assíria. Embora a Assíria estivesse em um estado politicamente enfraquecido por algum tempo, sua crueldade aos cativos e outros indesejáveis era bem conhecida em Israel no tempo de Jonas, criando uma necessidade óbvia para a mensagem de Jonas sobre arrependimento.

Por que esse livro é tão importante?

Jonas foi um dos únicos quatro profetas escritores que Jesus mencionou pelo nome durante Seu ministério na terra (Isaías, Daniel e Zacarias foram os outros). Jonas, porém, recebeu mais do que uma simples menção. Jesus, na verdade, se identificou com os três dias da permanência do profeta no ventre do grande peixe, apontando-a como um prenúncio de Sua própria morte, quando Jesus iria passar três dias “no coração da terra” antes de Sua ressurreição (Mateus 12:39-41). A identificação de Jesus com o profeta no ponto mais baixo da vida de Jonas encontra ecos no livro de Hebreus, onde este ensina que era necessário que Jesus “se tornasse semelhante a seus irmãos em todos os aspectos, para se tornar sumo sacerdote misericordioso e fiel” (Hebreus 2:17). O livro de Jonas se destaca como um importante elo na cadeia profética, dando aos leitores um vislumbre da morte e ressurreição de Cristo centenas de anos antes que elas realmente ocorressem.

Qual é a ideia principal?

Quando o chamado de Deus chegou a ele, Jonas não conseguia ver além do seu próprio desejo egoísta de Deus punir os assírios. Como Deus poderia querer que ele desse uma mensagem de misericórdia para tal povo? Antes que Jonas pudesse transmitir a mensagem de Deus, ele teve que ser quebrado. Ele teve que aprender algo sobre a misericórdia do Senhor. Através de sua jornada para Társis, seu naufrágio e seu tempo no grande peixe, Jonas foi convencido, de uma maneira poderosa, que toda a salvação vem do Senhor (Jonas 2:9). E por causa do poder supremo de Deus, só Deus pode decidir onde derramar Sua salvação e Sua misericórdia (4:11).

Como colocar em prática?

Você já se encontrou alguma vez lutando contra Deus – seus desejos o puxando para uma direção e os de Deus para a outra? Jonas se encontrou nessa posição, e o seu próprio desejo dominou o de Deus por um certo tempo. Ou foi assim que ele pensou, pelo menos. Como vemos muitas vezes em nossas vidas, Deus realizou Seus propósitos através de Jonas, mesmo que isso significasse que Ele tinha que derramar uma forte dose de humildade em um coração arrogante e sem vontade.
Jonas eventualmente partiu e proclamou a mensagem de Deus, mas a lição de sua história não terminou ali. Jonas profetizou a Nínive, mas ele não estava feliz com isso (Jonas 4:1). Aqui encontramos uma outra aplicação para nossas vidas: alinhar os nossos desejos com a vontade de Deus é sempre um processo. Apenas seguir a vontade de Deus não significa que nossos corações estejam alinhados com o coração dele. Deus queria as ações de Jonas e seu coração. E Ele quer os nossos corações também.


Artigos