Quem escreveu o livro?

Não é de se surpreender que o Evangelho de João nunca forneça o nome do seu autor. Tais identificações não foram feitas em nenhum dos outros três evangelhos bíblicos também. No entanto, dois fatores significativos apontam para a identificação de João como o autor. Em primeiro lugar, o próprio livro identifica o autor como o discípulo que Jesus amava. Esta descrição apontou plausivelmente para João por três razões: o autor tinha de ser um dos doze discípulos, porque ele era uma testemunha ocular dos acontecimentos no Evangelho (João 21:24); ele foi provavelmente um do círculo íntimo de três discípulos (Tiago, João e Pedro), porque ele estava entre os primeiros a quem Maria disse sobre a ressurreição (20: 1-10); e este discípulo se distingue de Pedro no livro, enquanto Tiago morreu muito cedo – logo após a ressurreição – para ser o autor.

A segunda evidência significativa para a autoria de João é o testemunho unânime dos cristãos primitivos, entre eles o cristão do segundo século, Irineu, que declarou que João era o discípulo que reclinou sua cabeça em Jesus – “o discípulo a quem Jesus amava” (13:23) – e o autor do Evangelho.

Qual o contexto?

Na tradição cristã, o evangelho de João sempre foi referido como o quarto Evangelho, o que significa que foi composto depois dos outros três. Policarpo, um mártir cristão do século II que conhecia João pessoalmente, disse a Irineu que João escreveu o livro durante o tempo em que o apóstolo servia à igreja em Éfeso. Esses fatores sugerem que João escreveu o livro entre 85 e 95 d.C.

Por que esse livro é tão importante?

João não incluiu a história da natividade em seu Evangelho; em vez disso, ele apresenta o seu livro indo ainda mais para trás da história. Invocando o termo “no princípio”, de Gênesis 1:1, João fez uma ligação direta entre a natureza de Deus e a natureza da Palavra, Jesus Cristo. A ênfase sobre a divindade de Cristo é uma qualidade impressionante do Evangelho de João. Isso também se destaca claramente em outras partes do livro, particularmente em João 8:58, quando Jesus reivindicou o nome divino “Eu Sou” para Si mesmo, o que levou uma multidão enfurecida de judeus a tentar matá-Lo pela blasfêmia.

Qual é a ideia principal?

Enquanto os outros três evangelhos retratam Jesus como o Rei, o Servo e o Filho do Homem, João apresenta Jesus como o Filho de Deus. João declarou seu tema mais claramente do que qualquer um dos outros evangelistas. Ele escreveu para que seus leitores possam “crer que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus”, para que todos tenham vida em Seu nome (João 20:31). Para atingir esse objetivo, João apresentou um quadro fascinante e distintivo de Jesus Cristo, em unidade completa com os retratos dos outros três evangelhos, mas que também contribui significativamente para a revelação bíblica de Jesus Cristo, o Deus-homem.

João usou uma variedade de técnicas para se comunicar com seus leitores sobre a natureza de Jesus. Estas incluem a sua citação de sete declarações de Jesus usando “Eu sou”, em que Jesus falou de Si mesmo em termos tais como “a luz do mundo” (8:12), “a ressurreição e a vida” (11:25), e “o caminho, e a verdade, e a vida” (14: 6). Grande parte do Evangelho de João (capítulos 2 a 12) pode ser chamada de Livro dos Sinais, pois relata a execução de sete milagres diferentes de Jesus – tal como a água se tornando em vinho em Caná e a ressurreição de Lázaro dentre os mortos em Betânia. Esses milagres ilustram Sua identidade como o Filho de Deus.

Como colocar em prática?

A identidade de Jesus como o Filho de Deus O distingue de qualquer outro homem que já viveu. Ele carrega consigo a transcendência encontrada apenas no próprio Deus. Por isso, Sua obra em nosso lugar faz da nossa salvação uma certeza. Porque Ele é Deus, o Seu sacrifício na cruz tem implicações eternas, ao contrário do efeito limitado dos sacrifícios de animais no Antigo Testamento. Jesus, o Deus-homem, expiou nossos pecados. Podemos colocar a nossa confiança nele, por causa de Sua natureza divina.

Para os leitores do Evangelho de João, a questão é simples, porém significante: Você acredita que Jesus é o Senhor? Se você acreditar, você vai receber a vida eterna, confiante na verdade de que um dia você vai viver na presença de Deus em um lugar onde não haverá mais dor, nem lágrimas, e nem morte.


Artigos

blog-grid

Vitória em Cristo. Isso é o que muitos cristãos querem. É o que foi prometido pelo próprio Cristo. Mas uma série de perguntas vêm à minha mente, perguntas como: “Por que não vemos mais vitória em Cristo?” ou “Por que eu mesmo não tenho ma...

Continuar lendo
blog-grid

Como se fossem uma nuvem, varri para longe suas ofensas; como se fossem a neblina da manhã, os seus pecados. Volte para mim, pois eu o resgatei.” Isaías 44:22 Se eu escolher não correr o risco e se eu seguir a rota “segura” e me determinar a nã...

Continuar lendo
blog-grid

Havia uma guerra fria entre judeus e samaritanos sobre a questão da adoração. A mulher no poço traçou a linha divisória nessa guerra de cultos: “…nossos antepassados adoravam neste monte (Gerizim), mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é...

Continuar lendo
blog-grid

Você está procurando uma igreja? Basta qualquer igreja? Ou uma que seja verdadeiramente saudável? Talvez você tenha se mudado e não esteja familiarizado com a área. Ou você pode ser um cristão novo à procura de um lugar de culto. Ou talvez, ao in...

Continuar lendo
blog-grid

É verdade. Para muitas pessoas, os dias festivos trazem lembranças dolorosas. As feridas da infância ou a perda de entes queridos os atingem duramente durante esse tempo sentimental. Enquanto muitos celebram as alegrias do Natal, outros sofrem a solid...

Continuar lendo
blog-grid

Na faculdade teológica fiz um curso de soteriologia, a doutrina da salvação, com o Dr. Charles Ryrie. Ele abriu a primeira palestra com esta instrução: “Tire uma folha de papel. Você tem menos de um minuto para compartilhar o Evangelho com um estr...

Continuar lendo
blog-grid

Israel é como nenhum outro lugar na Terra. Para um peregrino idoso, ali estava a Terra Prometida: “À sua descendência darei esta terra” (Gênesis 12:7). Ali estava a terra de um homem orgulhoso que saiu mancando, com um novo nome depois de seu enco...

Continuar lendo
blog-grid

Um dos primeiros casamentos que eu oficiei como pastor ainda jovem tinha todas as promessas que se poderia esperar de um casamento. Ambos noivos tinham seus vinte anos, ambos eram crentes; ele estudava a medicina, e ela era uma enfermeira. Deveria ter sid...

Continuar lendo
blog-grid

“Éramos apenas amigos platônicos quando ele me colocou como seu amigo no Facebook. Um mês depois, eu decidi deixar meu marido e filhos para ficar com ele. Afinal, eu estava tão infeliz no meu casamento. Eu não deveria estar com alguém que me faz f...

Continuar lendo