Quem escreveu o livro?

O livro de Ezequiel carrega o título de um sacerdote do mesmo nome, que era o filho de um homem chamado Buzi. A linhagem sacerdotal de Ezequiel brilha através de seu ministério profético; e muitas vezes ele se preocupou com assuntos como o templo, o sacerdócio, a glória do Senhor e o sistema de sacrifício.
Ezequiel 1:1 nos diz que a profecia começou no “trigésimo ano”. Os eruditos geralmente consideram isso uma referência à idade de Ezequiel, tornando-o quase a mesma idade de Daniel, que foi exilado à Babilônia quase uma década antes. Como muitos sacerdotes de Israel, Ezequiel era casado. Mas quando sua esposa morreu durante o seu ministério profético, Deus impediu Ezequiel de ficar de luto em público, como um sinal da falta de preocupação de Judá com as coisas de Deus (Ezequiel 24:16-24).

Qual o contexto?

Ezequiel viveu entre os exilados judeus na Babilônia em um assentamento chamado Tel-Abibe perto do rio Quebar (Ezequiel 3:15), que era menos de cento e cinquenta quilômetros ao sul da Babilônia. Os invasores babilônios trouxeram cerca de dez mil judeus para a aldeia em 597 a.C., incluindo Ezequiel e o último rei de Judá, Joaquim (2 Reis 24:8-14).
A profecia de Ezequiel começou apenas no quinto ano do seu tempo em Tel-Abibe (Ezequiel 1:2), e ele continuou a profetizar entre o povo por pelo menos 22 anos (29:17). Porque ele falava a um povo a quem Deus havia exilado devido à sua rebelião contínua contra Ele, a maior parte de sua mensagem anuncia o julgamento pelos pecados cometidos (1:1-32:32). No entanto, como todos os profetas, ele também forneceu ao seu povo, agora sem terra própria, alguma esperança para o futuro (33:1-48: 35).

Por que esse livro é tão importante?

O livro de Ezequiel pronuncia julgamento sobre Israel e nações vizinhas, mas também fornece uma visão do reino milenar futuro que complementa e contribui para a visão de outros textos do Antigo e do Novo Testamento. O livro não só apresenta uma imagem marcante da ressurreição e da restauração do povo de Deus (Ezequiel 37), ele também oferece aos leitores uma visão do templo reconstruído em Jerusalém, com o retorno da glória de Deus à Sua habitação (40:1 -48:35). Esta última seção da profecia de Ezequiel aguarda com expectativa a adoração do povo depois da volta de Cristo no fim dos tempos, quando Ele governará Israel e as nações do Seu trono em Jerusalém durante o Seu reinado de mil anos.

Qual é a ideia principal?

Deus não exilou os israelitas somente para puni-los. Deus nunca foi e nem está agora interessado em punição por si só. Ao contrário, Ele pretendia que a punição ou julgamento nos dias de Ezequiel fosse como o meio para um fim – o de levar o Seu povo a um estado de arrependimento e humildade diante do único Deus verdadeiro. Eles tinham vivido por tanto tempo em pecado e rebelião, confiantes em sua própria força e na de nações vizinhas, que precisaram de Deus para lembrá-los de Sua natureza santa e da identidade humilde deles de uma forma mais dramática. Depois de séculos de avisos, mensagens proféticas e invasões, Deus decidiu que uma ação mais significativa seria necessária – Ele teve que retirar as pessoas de sua terra prometida.

Como colocar em prática?

Todo o ministério profético de Ezequiel focava em torno da pequena comunidade exilada em Tel-Abibe, um povo desarraigado de suas casas e meios de subsistência para viver seus dias em uma terra estrangeira. Você pode imaginar os sentimentos de desorientação e confusão que acompanharam essas pessoas? Apesar de muitos dos exilados estarem diretamente envolvidos no comportamento pecaminoso que levou ao julgamento de Deus, aquilo não iria impedi-los de se perguntarem por que tudo isso estava acontecendo com eles.
Às vezes nós nos encontramos nessa situação também, perguntando “Por quê, Senhor?” e esperando a resposta em silêncio. Os exilados tiveram que esperar cinco anos para que Deus enviasse Ezequiel e quando Deus fez isso, Seu profeta tinha uma mensagem que as pessoas provavelmente não queriam ouvir: Deus é o Senhor do céu e da terra e o julgamento que eles estavam experimentando era o resultado de seu próprio pecado.
O livro de Ezequiel nos lembra de procurar o Senhor naqueles tempos sombrios quando nos sentimos perdidos, para examinarmos as nossas próprias vidas e nos alinharmos com o único e verdadeiro Deus. Você quer fazer isso hoje?


Artigos