Tendo terminado sua missão, Barnabé e Saulo voltaram de Jerusalém, levando consigo João, também chamado Marcos. (Atos 12:25)

Chegando em Salamina, proclamaram a palavra de Deus nas sinagogas judaicas. João estava com eles como auxiliar. (Atos 13:5)

De Pafos, Paulo e seus companheiros navegaram para Perge, na Panfília. João os deixou ali e voltou para Jerusalém. De Perge prosseguiram até Antioquia da Pisídia. No sábado, entraram na sinagoga e se assentaram. Depois da leitura da Lei e dos Profetas, os chefes da sinagoga lhes mandaram dizer: “Irmãos, se vocês têm uma mensagem de encorajamento para o povo, falem”. (Atos 13:13-15)

Paulo, Barnabé e João Marcos partiram de Chipre e navegaram em direção à Panfília, no sul da Turquia, onde o mar dá lugar a falésias que se elevam até formar uma cadeia de montanhas mais escarpada e majestosa que os montes Taurus, a leste, perto de Tarso, e mais imponente que os montes das terras do cipriota Barnabé e do judeu João Marcos.

Só a visão dessa paisagem intimidadora pode ter sido suficiente para desencadear o turbilhão de dúvidas que acabou tomando conta da alma do jovem João Marcos. Pouco depois de chegar à Panfília, Paulo foi acometido de uma febre grave, talvez malária. Sem maiores explicações, Lucas informa: “João os deixou ali e voltou para Jerusalém”. Saindo de Perge, Paulo e Barnabé prosseguiram viagem, não se detendo pela deserção de João Marcos.

É importante considerar que algumas pessoas deixarão o trabalho ao qual estavam se dedicando. Toda igreja perde membros, e até líderes, e por vários motivos. Mas, ainda que algumas pessoas saiam, a igreja prossegue. A despeito das circunstâncias que levaram este ou aquele indivíduo a sair, a jornada continua. No caso de Paulo e Barnabé, não havia tempo nem necessidade de longas despedidas. Eles prosseguiram, olhando firmemente para o alvo.

É difícil prosseguir quando nos sentimos abandonados. Ao mesmo tempo, é fácil ceder ao desânimo e permitir que nos esgote as energias; mas Paulo e Barnabé não podiam se dar ao luxo de entregar os pontos. Tinham um trabalho a realizar e, portanto, controlaram as emoções e avançaram com determinação ainda maior.

A maturidade se manifesta, entre outras coisas, na capacidade de prosseguir independentemente de quem sai de cena. Nenhuma outra opção é válida. Terminadas as despedidas, é hora de seguir viagem, exatamente como Paulo e Barnabé fizeram. Conforme Paulo escreve em sua carta aos Filipenses 3:14: “Prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus.

 

Dia a dia com os heróis da féDr. Charles R. Swindoll

Anexos
  • prossiga-2
Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados