Pois não nos pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor, e a nós como escravos de vocês, por amor de Jesus. Pois Deus que disse: “Das trevas resplandeça a luz”, ele mesmo brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. (2 Coríntios 4:5 a 7)

São palavras de um servo sincero, humilde, de coração aberto. Nós, os crentes, recebemos um tesouro de enorme valor (o glorioso evangelho) num vaso muito frágil e perecível (nosso fraco corpo). E existe uma razão para isso: é para que ninguém tenha dúvida de que esse poder tem origem em Deus, e não no ser humano.

E então, para comprovar a fragilidade humana, Paulo relaciona quatro dificuldades com as quais os servos estão sempre lutando. Eu as chamo de consequências do servir.

Tribulação – O problema é criado por circunstâncias difíceis ou pessoas hostis. Quando o servo é atribulado, isso quer dizer que está passando por sofrimentos, opressões e dificuldades.

Perplexidade – Paulo segue dizendo que há vezes em que o servo de Deus se encontra perplexo e confuso, é uma imagem de confusão, de uma pessoa que não sabe onde nem a quem pode pedir socorro. Ainda incluídas no significado deste termo estão as ideias de falta de recursos, sentimentos de vergonha e de dúvida quanto à medida a ser tomada.

Perseguição – É a ideia de ter alguém em nosso encalço, correndo atrás de nós. Trata-se de um termo com conotação de agressividade, contendo uma ideia bem ampla, desde uma simples intimidação até ser agredido, atacado por outrem. Os servos irão sofrer perseguições.

Rejeição – Abatido. Essa palavra traz a ideia de ser derrubado, empurrado de lado ou expulso. Embora façamos nossa obrigação com toda fidelidade e perseverança, embora ajudemos e sirvamos aos outros, podemos saber desde já que, em certas ocasiões, seremos atirados de lado e rejeitados.

Pois bem, isso não significa que Deus nos tenha abandonado ou que estejamos agindo contra a vontade dele. Não! Significa apenas que gente é gente, ovelha é ovelha. Tudo é parte de um processo ao qual Deus está nos submetendo, para nos tornar humildes, com o objetivo de transformar nossa vida, de modo que tenhamos ‘uma vida semelhante à do seu Filho’.

 

Trecho retirado de Eu, um servo? de Charles R. Swindoll. © 1983, 2018 Charles R. Swindoll Inc. Todos os direitos mundialmente reservados. Usado com permissão.

Eu, um servo?Dr. Charles R. Swindoll

reconheça cristo, cruz
cante
Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados