A observação de Henry Drummond me assombra às vezes:

Quantos filhos pródigos são mantidos fora do Reino de Deus pelo caráter desagradável daqueles que professam ser de dentro?¹

Permita-me, neste bate-papo particular com você, escolher uma “característica desagradável” freqüentemente encontrada nos círculos cristãos e, em seguida, desenvolvê-la de um ponto de vista positivo. Estou pensando na falta de encorajamento em nossos relacionamentos. Para ilustrar essa questão, quando foi a última vez que você encorajou outra pessoa? Seja honesto: quando foi a última vez que você disse alguma coisa, deu algo, escreveu algo ou fez algo com o único motivo de encorajar outra pessoa? Acredito firmemente que um indivíduo é muito mais semelhante a Cristo quando está cheio de compaixão por aqueles que estão mal, carentes, desanimados, sentindo-se desvalorizados ou esquecidos. Como é essencial o ministério de encorajamento!

No livro de Atos encontramos o registro da vida tranquila, porém colorida, de um homem que é um pouco estranho para a maioria dos cristãos: Barnabé. Ele veio da ilha de Chipre e foi destinado a um papel obscuro de “ministro de encorajamento”. De fato, o nome Barnabé era na verdade o seu apelido, que significa “filho da consolação” (Atos 4:36). Em comparação com as luzes mais brilhantes deste livro – Pedro, Paulo, Silas, Tiago e Apolo – Barnabé praticamente não é mencionado, mas como ele foi essencial!

Vamos passear juntos através de Atos 4. Os jovens crentes perseguidos em Jerusalém estavam “sob a mira da arma”. Se alguma vez eles precisaram de encorajamento, aquele era o momento. Eles foram postos contra a parede, emocionalmente feridos e financeiramente falidos. Muitos estavam pressionados e desesperados em suas necessidades. Quando Barnabé chegou de Chipre, deu-lhes tudo o que tinha. Provando que ele foi viver lá pelos outros, trouxe toda a arrecadação da venda de uma propriedade a este grupo de crentes (4:32-37). Podemos chamar isto de encorajamento financeiro.

Em Atos 11, o corpo de Cristo estava crescendo e a Palavra estava se espalhando como fogo. Era demais para um líder lidar com tudo sozinho. E o que Barnabé fez? Ele procurou e encontrou um professor talentoso, Saulo de Tarso (11:25), que era na época uam figura polêmica por causa do seu passado. Sem medo de arriscar seu pescoço por um crente novo que era suspeito aos olhos do público, Barnabé trouxe Saulo para Antioquia e lhe deu um impulso na vida, no exato lugar onde Barnabé estava experimentando uma bênção notável (11:22-23, 26). Sem nenhum sentimento de ciúme, mais tarde ele permitiu que Saulo assumisse a liderança e definisse o ritmo da primeira viagem missionária (Atos 13). É interessante que pouco depois os seus nomes foram trocados de ordem: “Barnabé e Saulo” (13: 1) virou “Paulo e Barnabé” (13:42).

Este é o teste supremo. É preciso ser uma grande pessoa para reconhecer alguém (especialmente alguém mais jovem) que tem habilidades dadas por Deus e encorajá-lo a passar à frente de você com o seu total apoio. A isso poderíamos chamar de encorajamento de companheirismo e seguimento.

A cortina desce sobre a vida de Barnabé no capítulo 15. A segunda viagem missionária estava prestes a começar. Ele e Paulo discutiam a possibilidade de levar João Marcos, um jovem que os abandonou na primeira viagem (13:13). Por causa disso, Paulo insistiu que Marcos não fosse convidado, pensando que Marcos era um derrotista e falharia de novo. Barnabé recusou esse tipo de pensamento. Ele se manteve firme, acreditando em Marcos, apesar do que tinha acontecido antes. Você sabe o resultado (15:36-39). Barnabé demonstrou encorajamento apesar do fracasso.

O encorajamento é tão importante! Você conhece alguém que está em necessidade de encorajamento financeiro? Um estudante fora da escola, um jovem casal em dificuldade, uma divorciada lutando para ganhar de volta a autoaceitação, um servo de Deus esquecido trabalhando em um ministério solitário e difícil? Saia do lugar! Encoraje generosamente!

Você sabe de alguém que pode e deve ser promovido a um lugar de maior utilidade, mas está atualmente precisando da sua companhia e afirmação? Batalhe por essa pessoa! Ela precisa do seu companheirismo. Que tal alguém que é mais qualificado do que você é? Você ficaria espantado com a bênção que Deus pode derramar sobre você, se você realmente apoiá-lo com o seguimento.

E não vamos esquecer dos fracassados, queles que precisam de uma segunda chance. Os Lós da vida, os Sansões, os Jonas, os Demas, os Joãos Marcos, os Pedros, etc. Sim, eles falharam… estragaram tudo. Será que você é grande o suficiente para oferecer uma mão de encorajamento e demonstrar o amor verdadeiro? Levante com encorajamento a pessoa que falhou! Vale a pena! No caso de Marcos valeu muito. Mais tarde ele escreveu o evangelho que leva seu nome. De fato, Marcos mais tarde também provou ser muito útil no ministério de Paulo (2 Timóteo 4:11).

Para a acusação de Henry Drummond, sugiro uma solução. É um nova lema: ENCORAJAMENTO!

__________________

1. Henry Drummond, “The Greatest Thing in the World”, em Addresses (Philadelphia: Henry Altemus, 1891), 42. (Accessado em Google Books, 15 de maio, 2013.)

Copyright © 2013 por Charles R. Swindoll, Inc.

Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados