Em II Coríntios 2.11 aparece uma declaração breve, porém poderosa a respeito do diabo: “a fim de que Satanás não tivesse vantagem sobre nós; pois não ignoramos as suas intenções.

A preocupação do escritor é que os crentes de Corinto perdoassem total e completamente um indivíduo em sua igreja local. Eles são orientados a reafirmar seu amor por ele (versículo 8) e provar sua obediência (versículo 9), não se reprimindo neste ato de perdão.

Por quê? Porque assim Satanás não teria como tirar proveito da situação. Em outras palavras, a sua persistente falta de perdão daria ao inimigo uma oportunidade de abrir caminho dentro do relacionamento deles e cumprir seus objetivos insidiosos. Sua desobediência seria a porta de entrada do inimigo. Ele espera pacientemente por essas portas abertas e faz seus movimentos astutos nessas ocasiões.

Mas o que Paulo declara? Ele diz: “não ignoramos as suas intenções”. Com efeito, ele está dizendo: “Conhecemos seu estilo. Estamos constantemente cientes dos seus métodos e estratégias. Ele não nos pega desprevenidos”.

São palavras fortes, confiantes e de afirmação. Mas elas são verdadeiras para você? Paulo podia dizer isso, mas você pode?

Antes que qualquer oponente possa ser inteligentemente enfrentado é necessário conhecer seus modos. A ignorância deve ser dissipada. Nenhum lutador de boxe em seu juízo perfeito entra no ringue sem primeiro estudar o estilo do seu adversário. O mesmo acontece no campo de futebol; e no campo de batalha. Dias (às vezes meses) são gastos estudando as táticas, as fraquezas e os pontos fortes do oponente. A ignorância é inimiga da vitória.

 

Como superar o estresseDr. Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados