Desde a primeira comemoração do Natal, acho que uma palavra caiu na boca de todos mais do que qualquer outra. Não é a palavra alegria, ou cantata, ou árvore, ou comida. É a palavra presente. Os presentes estão tão inseparavelmente ligados e entrelaçados com o Natal que dificilmente podemos pensar em um sem o outro. No entanto, precisamos definir uma prioridade. Com tudo isso de dar e receber acontecendo no Natal, parece-me apropriado que pensemos primeiro no dom de Deus para nós.

O que foi esse presente? Claro, era Seu Filho Jesus, e com Ele, a salvação que oferece a toda a humanidade. Não me canso de repetir o maior versículo da Bíblia:

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16).

Quando Deus veio a nós naquela primeira noite, colocou em ação um plano que Ele tinha estabelecido antes da fundação do mundo. E qual era o plano? Dar-nos o melhor presente possível – a vida eterna. Ele providenciou esse presente através de Seu Filho, Jesus, que veio a nós porque não podíamos ir até Deus. Por mais que tentemos, não poderíamos chegar nem mesmo perto dEle – a nossa pecaminosidade nos mantém longe dEle. Agora, por causa de Jesus, nós temos acesso ao próprio Deus. O dom de Deus nos convida a chegar mais perto. Com razão o apóstolo Paulo anunciou: “Graças a Deus por seu dom indescritível!” (2 Coríntios 9:15).

Apesar da grande magnitude de Seu dom, Deus entregou em silêncio e de forma pessoal, anunciando as “boas novas de grande alegria” para alguns pastores desconhecidos em uma colina nos arredores de Belém (Lucas 2:10). Deus escolheu anunciar o Seu dom para homens comuns, pastores anônimos, porque Jesus veio para tratar da condição comum da humanidade: a nossa desesperada necessidade de um Salvador.

Jesus veio “para que tenham vida”, disse João 10:10, “e a tenham em abundância”. Você conhece essa vida abundante? Será que seu coração está aberto para a paz que Ele oferece? Escrevo isso tanto para aqueles que ainda não conhecem o nosso Salvador e também aos que já O conhecem, mas que não tem alegria atualmente. Em meio aos dias afobados e exaustos que frequentemente nos acompanham no mês de dezembro, não tenha pressa para desembrulhar o dom de Deus. Não te custa nada – é um presente, lembre-se – você só tem que receber o que Ele fez por você.

O presente de Deus espera por você neste Natal. Ele o entrega na porta de seu coração, em silêncio, enquanto você espera nEle, e pessoalmente, ao responder suas necessidades específicas. Qualquer que seja sua necessidade nessa época do ano, confie em Deus que vai te dar o que é mais abundante; entregue em silêncio porém com grande alegria.

__________________

Extraído de Charles R. Swindoll, “Strangely Wrapped, Silently Delivered,” Insights (Dezembro de 2000): 1–2. Copyright © 2000 por Charles R. Swindoll, Inc. Reservados todos os direitos mundialmente.

Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados