Um dos primeiros casamentos que eu oficiei como pastor ainda jovem tinha todas as promessas que se poderia esperar de um casamento. Ambos noivos tinham seus vinte anos, ambos eram crentes; ele estudava a medicina, e ela era uma enfermeira. Deveria ter sido um casamento exemplar, cheio de paz e alegria. As dificuldades viriam, claro, mas uma esperança duradoura iria levá-los a superar os dias escuros.

No entanto, quando voltei a ver a mulher uns oito anos depois, ela parecia vinte anos mais velha. Ela descreveu uma tragédia que envolvia drogas, adultério, amargura e separação. Há muito tempo se foram a paz e alegria original. E essa alma cansada havia perdido a única coisa que poderia ter salvado o seu casamento do nível mais baixo da infelicidade conjugal: ela tinha perdido a esperança.

E você? Como classificaria o seu nível de alegria na vida cristã? Você se tornou deprimido? Aquela chama original de conhecer Cristo esfriou a uma indiferença em fogo lento? Talvez as tribulações do cotidiano removeram sua esperança? Os pastores de hoje constantemente aconselham os crentes que lutam com a depressão, casamentos quebrados, ansiedade, raiva e falta de autocontrole. Nada podem fazer exceto perguntar: “onde está a vida abundante que Cristo prometeu em João 10:10?”

 

Esperança inquestionável

Em Romanos 5:1-11 Paulo nos leva do altar do casamento da nossa fé cristã para um novo relacionamento com Jesus Cristo: um relacionamento pessoal com paz, alegria e esperança. Esta passagem revela como a alegria duradoura na vida cristã pode ser alcançada, mesmo no meio de provações e lutas. Veja comigo:

“Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de quem obtivemos acesso pela fé a esta graça na qual agora estamos firmes; nos gloriamos na esperança da glória de Deus.” (Romanos 5:1 – 2).

A justificação que Paulo descreve é o que ocorreu no momento que você colocou sua fé em Cristo, somente para o perdão dos seus pecados e a nova vida (Romanos 5:5-11). Para mim, isto aconteceu na década de 1940. Alguns podem ter sido na década de 60, 80 ou talvez mais recentemente. Se você é um crente, no momento em que você disse “sim” para Jesus Cristo ser o seu Senhor, você se tornou um membro da Sua família, a Igreja, dedicada a Ele para sempre. No mesmo parágrafo, Paulo também descreve os efeitos presentes deste último evento: temos paz (5:1), ao presente estamos em graça (5:2), e nos gloriamos na esperança.

Quando alguém usa a palavra esperar, geralmente pensa do futuro: “Espero que as coisas vão melhorar”; “Espero conseguir um novo emprego”; “Espero que eu não fique doente”. Na maioria das vezes essas esperanças são mais ilusões basedas em desejos pessoais. Tais esperanças podem ser facilmente destruídas quando a realidade irrompe como um touro furioso. As provações nos sobrevêm. As decepções ficam; e inevitavelmente a alegria definha.

Mas em Romanos 5 Paulo exortou os crentes a não só olhar para trás, para sua justificação do passado, mas também olhar para frente, além de seus sofrimentos e dificuldades imediatos. Ele escreve: “muito mais ainda, por meio dele, seremos salvos da ira de Deus!” (5:9). Não perca o tempo do verbo: “seremos”. Está no futuro. Essa é a esperança. E porque sabemos que vamos passar a eternidade no céu, podemos enfrentar todas as adversidades terrenas; mesmo na morte (8:35-39). Essa é a nossa esperança inquestionável!

Você está esperimentando esse tipo de esperança hoje? Se não, por que?

 

Esperança insaciável

Como podemos ter uma esperança inextinguível que resiste até os piores ataques de desespero? Nos regozijamos neles. Paulo salienta três níveis de regozijo: nos gloriamos na esperança da glória de Deus (Romanos 5:2), nos gloriamos nas tribulações (5:3), e nos gloriamos em Deus (5:11). Note que não nos regozijamos por causa das tribulações. Regozijamo-nos no meio delas. Nos regozijamos apesar delas, porque sabemos que “a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança. E a esperança não nos decepciona” (5:3-5). Pense desta maneira: você é o projeto pessoal de Deus para o desenvolvimento do caráter. Isso significa que você pode se alegrar ainda mais devido ao fato de que Deus nunca abandonará o Seu projeto (Filipenses 1:6). Deus sempre tem os Seus olhos em você, cultivando seu caráter até mesmo em suas tribulações.

Está se sentindo como se o fruto do Espírito se secou devido ao calor escaldante das provações? A resposta de Paulo é clara: quando as tribulações vierem, devemos nos lembrar de que essas provações visam um fim magnífico. Se me contarem que o caminho ao meu glorioso destino está desfigurado pelas pedras soltas e buracos,  cada solavanco no caminho fará me lembrar que estou no caminho certo. Mas nunca devo me esquecer de que Deus me acompanha na jornada. Sua reputação como nosso Pai amoroso está em jogo. Nem sempre sabemos aonde estamos indo, mas Ele sim o sabe.

Com a justificativa passada como seu pé de apoio e sua esperança futura como o combustível, você pode realizar esta jornada presente de provações e tribulações sem perder a sua alegria e paz. Sim, isto é possível! Sua esperança leva a perseverança, que desenvolve o seu caráter, e que leva a esperança maior (Romanos 5:4). E isto não é apenas uma ilusão.

É a esperança insaciável.

__________________

Adaptado de Charles R. Swindoll, “Unquenchable Hope,” Insights (Março 2006): 1-2. Copyright © 2006, Charles R. Swindoll, Inc. Reservados todos os direitos mundialmente.

Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados