Enquanto eu estive no ministério, eu sempre pedi ao Senhor por um equilíbrio entre um coração terno e uma casca grossa (ex., resiliência, superação). Não é um equilíbrio fácil. De fato, cultivar o segundo é mais difícil do que o primeiro. Para ser totalmente engajado no ministério, a tarefa número um é ter um coração terno. O desafio é desenvolver uma casca grossa.

Aqueles que estão no ministério são especialmente suscetíveis a se tornarem pára-raios, ou seja, somos grandes alvos de críticas. Cada pastor apaixonado, cada líder cristão, cada autor cristão que eu conheço pode listar uma ladainha de coisas que foram ditas e feitas contra eles, muitas delas injustas. E quanto a você? Como você lida com as críticas, essas humilhações cruéis ditas na sua cara, ou pior, nas suas costas? Quando um vizinho zomba a sua maneira bíblica de criar os filhos; quando o casal no seu grupo de célula questiona a cada decisão que você toma; quando você descobre um companheiro cristão que pensava ser seu amigo, e vem espalhando boatos sobre você, como você responde isso? Você é duro e terno ou você se torna abatido e amargo?

Poucos lidam bem com as críticas. Mas todos nós temos que concordar que houve um homem que lidou com isso com graça e coragem.

Em Atos 24, Paulo estava no banco das testemunhas diante do governador Félix, enquanto um advogado sombrio chamado Tértulo apontava algumas falsas acusações. Ao longo deste capítulo, você vai notar que Paulo aguarda a poeira baixar e depois calmamente se aproxima para se defender. As palavras de Paulo ilustram as sete maneiras de manter um coração terno e uma casca grossa, mesmo suportando as críticas.

 

Número um: Ele recusou-se a ser levado pela emoção das acusações. Esse é o primeiro erro que costumamos cometer. Tudo em nós prefere atacar, protestar, chorar ou simplesmente abandonar. Paulo se recusou a reagir de forma exagerada. Sua primeira frase é agradável e vem desarmada: “de bom grado faço a minha defesa”.

De bom grado? Agora o homem deveria estar em chamas de indignação! Embora rotulado como “uma verdadeira praga” e o líder de uma seita (veja Atos 24:5 ), Paulo graciosamente reconheceu a oportunidade de fazer a defesa. Ele se recusou a deixar que suas emoções assumissem a liderança.

Quando nós nos entregamos às emoções sobrecarregadas dos acusadores, a nossa raiva é desencadeada. Quando isso ocorre, o raciocínio cede à pressão às respostas irracionais e palavras impulsivas. Paulo não se entregou às emoções.

 

Número dois: Ele se ateve aos fatos. Ele disse: “Você pode verificar o meu recorde. Doze dias atrás eu subi para adoração. Você pode perguntar àqueles que estavam lá”. Ele relatou: “Nem no templo, nem nas sinagogas, nem na própria cidade eles  me encontraram envolvido em uma discussão com alguém ou causando tumulto. Também não podem provar as acusações de que agora me acusam” (Atos 24:11-13).

O apóstolo nunca piscou. Ele se manteve firme nos fatos incontestáveis. Essa estratégia não só o manteve no alvo, mas a sua credibilidade foi reforçada aos olhos do governador Félix.

 

Número três: Ele disse a verdade com a consciência limpa. Paulo declarou: “Mas isso eu admito a você… Eu sirvo ao Deus de nossos pais… Eu também faço o meu melhor para manter sempre a consciência limpa… tanto diante de Deus como diante dos homens” (Atos 24:14 -16 ).

Não há nada como a consciência limpa. Ela não só te ajuda a dormir bem, ela te faz pensar com clareza. Você não tem medo de que algum esqueleto no armário vai sacudir quando a investigação começa… porque não há nenhum esqueleto!

 

Número quatro: Ele identificou a fonte original da crítica. Poucas coisas são mais enlouquecedoras do que lutar contra as críticas. Uma das piores coisas que você pode fazer é espalhar o veneno para outras pessoas — seus filhos, seus pais, seus amigos, ou um grupo de outros cristãos — ao invés de ir para a fonte original da crítica e abordá-la. Você precisa de uma casca grossa para fazer isso.

 

Número cinco: Ele não iria se render ou desistir. Eu adoro isso em Paulo. Ele parece com um pitbull abocanhando o seu tornozelo, ele não desiste! Tire um tempo para ler 2 Coríntios 11:23-33. Açoitado, ensanguentado, em naufrágios, perseguido, ameaçado, fugindo da cidade e falsamente acusado, Paulo não se rendeu, se afrouxou ou se calou.

 

Número seis: Ele não se tornou impaciente ou amargo. Por dois anos Paulo estava esperando por esse julgamento. Você sabia disso? Porém, não vemos nenhum sinal de amargura. Sem impaciência. Sem ressentimentos. Não reclamou contra as autoridades romanas. Paulo acreditava que Deus estava firmemente no controle de pessoas e eventos.

 

Número sete: Ele confiou na promessa de Deus. Você sabe o que passou pela minha mente quando li essa passagem no Atos 24? Uma canção que eu cantava na igreja desde que eu era apenas uma criança na escola dominical.

 

Firme nas promessas não irei falhar
Vindo as tempestades a me consternar
Pelo Verbo Eterno eu hei de trabalhar
Firme nas promessas de Jesus

Firme, firme
Firme nas promessas de Jesus, meu mestre
Firme, firme
Sim, firme nas promessas de Jesus

Firme nas promessas do Senhor Jesus
Em amor ligado com a sua cruz
Cada dia mais alegro-me na luz
Firme nas promessas de Jesus  

Alguém já disse que existem mais de 7.000 promessas na Bíblia. Você já reivindicou alguma na semana passada? Duas? Eu ouço alguém dizer cinco?

Como Paulo lidou com as críticas? Ele se recusou a ser levado pela emoção das acusações. Ele se ateve aos fatos. Ele disse a verdade com a consciência limpa. Ele identificou a fonte original das acusações. Ele se recusou a se render ou desistir. Ele não se tornou nem impaciente nem amargo. Ele permaneceu firme na promessa de Deus. Isso é ótimo ou o quê? E está tudo na Bíblia. Você pode seguir cada uma dessas sete atitudes. Se você quiser um coração terno e uma casca grossa quando enfrentar a crítica, tem de segui-las. E eu também.

__________________

Extraído de Charles R. Swindoll, “Cultivating a Tender Heart and a Tough Hide,” Insights (July 2003): 1-2. Copyright © 2003, Charles R. Swindoll, Inc. Todos os direitos reservados mundialmente.

Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados