Você já acariciou alguma vez a pétala aveludada de uma rosa? Ou ouviu a correnteza da cachoeira numa montanha tranquila? Ou caminhou numa praia deserta admirando o pôr-do-sol? Nesses momentos de tranquilidade, um pensamento pode brotar da sua alma: só Deus pôde criar tal beleza.

A maioria das pessoas que experimentaram momentos como esses voltam a acreditar que deve haver um Deus. Mas como uma pessoa se relaciona com seu Criador? Como chegamos a conhecer Deus? A Bíblia, o livro mais maravilhoso do mundo, aponta o caminho para Deus com quatro verdades fundamentais. Vejamos cada um desses pontos em detalhe.

 

Nossa condição espiritual

A primeira verdade é bastante pessoal. Um só olhar no espelho da Bíblia e a nossa condição humana se torna dolorosamente clara:

Como está escrito:

“Não há nenhum justo, nem sequer um;

Não há ninguém que entenda,

Ninguém que busque a Deus;

Todos se desviaram, tornaram juntamente inúteis;

Não há ninguém que faça o bem,

Não há nem um sequer. ” (Romanos 3:10-12)

Somos completamente pecadores; totalmente depravados. Agora, isso não quer dizer que cometemos todos os tipos de atrocidades conhecidas pela humanidade. Não somos tão ruins como poderíamos ser, somente tão maus quanto podemos ser. O pecado altera todos os nossos pensamentos, motivos, palavras e ações.

Você não acha? Olhe a sua volta. Tudo ao redor de nós carrega as manchas da nossa natureza pecaminosa. Apesar dos nossos esforços para criar um mundo perfeito, as estatísticas de crimes continuam a subir vertiginosamente, a taxa de divórcio continua a aumentar e as famílias continuam a cair aos pedaços.

Algo deu terrivelmente errado em nossa sociedade e em nós mesmos, algo mortal. Ao contrário do que é apresentado pelo mundo, o viver por “mim-mesmo” não é o mesmo que a individualidade e liberdade; e sim, a morte. Como Paulo disse em sua carta aos Romanos, “o salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23): nossa morte emocional e física através da destruição do pecado, e nossa morte espiritual de acordo com o justo julgamento de Deus pelos nossos pecados. Isto leva-nos para o segundo ponto: o caráter de Deus.

 

O caráter de Deus

Como Deus pode nos julgar por um estado pecaminoso que já nasce conosco? Nossa depravação total é apenas metade da resposta. A outra metade é a infinita santidade de Deus.

O fato de que sabemos que as coisas não são como deveriam ser nos aponta para um padrão de bondade além de nós mesmos. Nosso senso de injustiça na vida deste lado da eternidade implica num padrão perfeito de justiça para além da nossa realidade. Esse padrão e fonte é o próprio Deus. E o padrão de santidade de Deus contrasta radicalmente com a nossa condição pecaminosa.

A Bíblia diz que “Deus é luz, nele não há treva alguma” (1 João 1:5). Ele é absolutamente santo, qual cria um problema para nós. Se Ele é tão puro, como nós, que somos tão impuros, podemos nos relacionar com Ele?

Talvez poderíamos tentar ser pessoas melhores, tentar desequilibrar a balança em favor de nossas boas obras ou buscar a sabedoria e conhecimento para o auto-aperfeiçoamento. Ao longo da história, as pessoas tentaram viver de acordo com o padrão de Deus, guardando os Dez Mandamentos, ou por vivendo o seu próprio código de ética. Infelizmente, ninguém pode chegar perto de satisfazer as exigências da lei de Deus. Romanos 3:20 disse: “Porquanto pelas obras da lei nenhum homem será justificado diante dele; pois o que vem pela lei é o pleno conhecimento do pecado.” (JFAA)

 

Nossa necessidade

Então aqui estamos nós, pecadores por natureza, pecadores por escolha, tentando usar nossos próprios esforços para alcançar um relacionamento com nosso Criador sagrado. Mas sempre que tentamos, nós caímos de cara. Não podemos viver uma vida suficientemente boa para compensar o nosso pecado, porque o padrão de Deus não é que o “suficientemente bom” – e sim a perfeição. E nós não podemos reparar a ofensa que nosso pecado criou sem morrer por isso.

Quem pode nos tirar deste dilema?

Se alguém pudesse viver perfeitamente, honrando a lei de Deus, e pagar a pena de morte do pecado para nós, em nosso lugar, então nós seriamos salvos de nossa situação. Mas não há tal pessoa? Graças a Deus, sim!

Conheça o seu substituto: Jesus Cristo. Ele é aquele que tomou o lugar da morte para você!

“Deus tornou pecador por nós aquele (Jesus Cristo) que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus.” (2 Coríntios 5:21)

 

Provisão de Deus

Deus nos salvou ao enviar Seu Filho, Jesus, para morrer na cruz pelos nossos pecados (veja 1 João 4:9-10). Jesus era plenamente humano e plenamente divino, uma verdade que garante a Sua compreensão de nossas fraquezas, o Seu poder para perdoar e a Sua capacidade de fazer a ponte entre Deus e nós (veja Romanos 5:6-11). Em suma, nós somos “justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus” (Romanos 3:24). Duas palavras neste versículo precisam de mais explicação: justificado e redenção.

Justificação é o ato de misericórdia de Deus, no qual Ele declara justos aos crentes pecadores, enquanto eles ainda estão em sua condição de pecado. Justificação não significa que Deus nos torna justos, para que nunca pequemos de novo, ao invés disso Ele nos declara justos como um juiz que perdoa um criminoso culpado. Porque Jesus tomou nossos pecados sobre Si e sofreu nosso julgamento na cruz, Deus perdoa nossas dívidas e nos proclama PERDOADOS.

Redenção é o ato de Deus para pagar o preço de resgate para nos libertar da escravidão do pecado. Sendo cativos por Satanás, estávamos aprisionados nas cadeias do pecado e da morte. Como qualquer pai amoroso cujo filho foi raptado, Deus de bom grado pagou o resgate. E que preço que Ele pagou! Ele deu Seu Filho unigênito para carregar todos os pecados da humanidade: do passado, presente e futuro. A morte e ressurreição de Jesus rompeu nossas cadeias e nos libertou para sermos filhos de Deus. (ver Romanos 6:16-18, 22; Gálatas 4:4-7).

 

Colocando nossa fé em Cristo

Estas quatro verdades descrevem como Deus providenciou um caminho para Ele através de Jesus Cristo. Porém Deus não forçará seguí-lO. Ele não nos arrastará por um caminho pelo qual nós não queremos ir. Nossa decisão é de nos oferecer para entrar em um relacionamento com Ele, e o fazemos pela fé.

Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie. (Efésios 2:8-9)

Aceitamos o presente da salvação de Deus simplesmente colocando nossa fé somente em Cristo para o perdão dos nossos pecados. Você deseja entrar em um relacionamento com Seu Criador, confiar em Cristo como seu Salvador? Se assim for, aqui está uma oração simples que você pode usar para expressar sua fé:

 

Querido Deus,

Eu sei que meu pecado criou uma barreira entre Você e eu. Obrigado por enviar Seu Filho, Jesus, para morrer em meu lugar. Eu confio somente em Jesus para perdoar meus pecados e aceitar o Seu presente da vida eterna. Peço a Jesus para ser meu Salvador pessoal e Senhor da minha vida. Obrigado. Em nome de Jesus, Amém.

 

Se você orou esta oração e quer saber mais sobre conhecer a Deus e Seu plano para você na Bíblia, entre contato com o Razão Para Viver.

Da próxima vez que você examinar uma rosa ou admirar um pôr-do-sol, considere Aquele que criou nosso mundo maravilhoso. Conheça-o pessoalmente!

__________________

Direitos autorais da tradução em português © 2014 por Insight for Living. Todos os direitos mundialmente reservados.

Ministério Razão Para Viver
Ministério Razão Para Viver

Uma variedade de autores qualificados contribuem com conteúdo para o Ministério Razão Para Viver - de escritores dedicados, a conselheiros bíblicos ou pastores de outros países. Mas antes de qual...

Ver todos os posts

Posts relacionados