Vejamos as diversas razões por que ‘melhor é serem dois’, em Eclesiastes 4.9-12:
É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se! E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho? Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade. (Eclesiastes 4:9-12)
Isso é verdade porque:
  • Têm melhor paga de seu trabalho (versículo 9) – Esforço mútuo;
  • Um levanta o outro (versículo 10) – Apoio mútuo;
  • Eles se aquecem um ao outro (versículo 11) – Estímulo mútuo;
  • Os dois resistirão ao ataque (versículo 12) – Força mútua.
Se é fato que precisamos de uma renovação na sinceridade e seriedade dos relacionamentos, também o é que já está passando da hora. Não estou sugerindo com isso, porém, que devemos desistir de nossa individualidade para mergulharmos no pantanoso e escorregadio terreno do pensamento grupal. Tampouco estou querendo advogar a ideia de que a mediocridade seja nosso padrão. Não é esse o meu interesse nem objetivo. O que me preocupa é o tipo de mentalidade que promove excessiva independência.
Voltando às palavras de Salomão, vemos que somente quando partilho as experiências de vida com outras pessoas é que consigo apreciá-las e suportá-las, e tiro disso o melhor proveito. Foi o que fizeram os cristãos primitivos. Eles logo aprenderam que, para sobreviverem, teriam que buscar a comunhão uns com os outros.
Infelizmente esse termo ‘comunhão cristã’ está desgastado. A palavra grega original ‘koinonia’ continha a ideia de partilhar ou ter algo em comum com outrem, penetrar na vida de outrem e, se preciso, ajudar a outra pessoa.
É claro que ter um relacionamento com alguém implica em ter comunhão, e é impossível ter comunhão mantendo o outro à distância. Relacionar-se significa aproximar-se das pessoas, sentir o sofrimento delas e ser um veículo de estímulo e restauração para elas.

Anexos
Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados