Quando o seu senhor ouviu o que a sua mulher lhe disse: “Foi assim que o seu escravo me tratou”, ficou indignado. Mandou buscar José e lançou-o na prisão em que eram postos os prisioneiros do rei. José ficou na prisão, mas o Senhor estava com ele e o tratou com bondade, concedendo-lhe a simpatia do carcereiro. Por isso o carcereiro encarregou José de todos os que estavam na prisão, e ele se tornou responsável por tudo o que lá sucedia. O carcereiro não se preocupava com nada do que estava a cargo de José, porque o Senhor estava com José e lhe concedia bom êxito em tudo o que realizava. (Gênesis 39:19-23)

Imagine o que estaria passando na mente de José nesse momento, pouco depois de ter sido preso. Ele não só era inocente, mas havia resistido repetidas vezes à tentação ostensiva. (Ele nunca lera Gênesis 41. Não conhecia o resultado final. Não sabia que dentro de poucos anos viria a ocupar a posição de primeiro ministro do Egito.) Tudo o que sabia naquele penoso momento era que agira retamente e fora castigado por isso. O tempo se arrastava. Os dias se transformaram em meses. Mais uma vez fora rejeitado injustamente, esquecido, completamente abandonado.

De alguma forma, porém, em meio a essa situação injusta, José sentiu que a mão do Senhor estava naquilo tudo: “José, você é meu. Apenas espere. Estou com você. Não vou ignorá-lo ou rejeitá-lo. Por causa dessa acusação, você será um homem melhor, José. Não acabei de prepará-lo para o meu serviço ”.

É possível que você esteja enfrentando a tentação justamente agora. Talvez até já tenha cedido. Alguns de meus leitores talvez estejam pensando: “Pregue, irmão, preciso ouvir. Resisti até agora à atração da tentação sensual e preciso de ajuda para manter-me firme”. No entanto, nenhum deles pode dizer: “Não sei do que você está falando, Chuck. Nunca me deparei com algo assim em minha vida”.

Você e eu precisamos discernir os tempos em que vivemos. Estamos em uma era que tenta esticar a graça até extremos heréticos. Vejo e ouço isso virtualmente todas as semanas. Permita-me dizer-lhe, então, diretamente: O maior dom que você pode oferecer a seu cônjuge é sua pureza, sua fidelidade. O maior traço de caráter que pode oferecer a seu cônjuge e sua família é autocontrole moral e ético. Fique firme, meu amigo. Recuse-se a ceder. José fez isso e você também pode fazê-lo. Deve fazê-lo!

Qualquer que seja sua situação, por mais sedutora, prazerosa ou momentaneamente deliciosa que a isca pareça, não se demore. Peça a força sobrenatural que vem do conhecimento de Jesus Cristo e, sob o controle de seu poder, mantenha-se forte na força do Senhor. Agora mesmo, neste exato momento, decida ser um José. Tome a decisão de juntar-se às fileiras de Deus e, a partir de hoje, resista.

Caso contrário você vai ceder. É só uma questão de tempo.

Dia a dia cm os Heróis da fé – Dr. Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados