Pois bem, se eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei-lhes os pés, vocês também devem lavar os pés uns dos outros. Eu lhes dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz. Digo-lhes verdadeiramente que nenhum escravo é maior do que o seu senhor, como também nenhum mensageiro é maior do que aquele que o enviou. Agora que vocês sabem estas coisas, felizes serão se as praticarem”. (João 13:14-17)

Ao pensar na apropriação que temos de fazer do exemplo de Cristo e de sua ordem, três instruções específicas me parecem bem importantes:

 
1- Obediência significa envolvimento pessoal.
Não podemos servir aos outros estando ausentes ou mantendo distância. Você está sinceramente interessado em envolver-se e ajudar pelo menos uma pessoa que se acha em dificuldade? Essa atitude de se interessar deve vir antes do envolvimento.

2- Obediência exige um altruísmo como o de Cristo.
Deixemos nossos olhos mergulharem nestas palavras. Para realmente entendermos este conceito, precisamos ver as pessoas como Cristo as vê. Teremos de correr o risco de estender a mão, desistir dos luxos de uma sensação de segurança, desistir de nossas preferências em favor das preferências dele.

3- A obediência resulta em felicidade. 
Observemos, por fim, que a felicidade vem do fato de praticarmos estas coisas. O que isso significa? Temos que obedecer, se quisermos desfrutar da alegria de servir. Se apenas as estudarmos e discutirmos, isso não produz felicidade duradoura. A alegria começa quando arregaçamos as mangas, amarramos a toalha na cintura e lavamos alguns pés, em silêncio, com humildade, com alegria. Como Cristo, que foi manso e humilde de coração.

Anexos
  • apropriando
Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja da...

Ver todos os posts

Posts relacionados