Leia II Coríntios 4:4-11

 

Gostaria de mostrar três ideias erradas com relação à condição de servo, e que são bastante conhecidas.


1- Os servos possuem poderes especiais deles próprios (Versículo 5).
 Como é fácil, às vezes, enxergarmos os servos de Deus através de uma lente cor de rosa, quase como se possuíssem uma unção mística, divina, ou um manto angelical, que faz com que pareçam estar revestidos de uma névoa do sobrenatural, de um poder celeste. Lembremos bem disso, os servos também são humanos, com todas as fraquezas dos outros homens e com as mesmas possibilidades de erro.


2- Os servos não enfrentam os problemas do dia a dia (Versículos 8 e 9).
 Atribulados. Perplexos. Perseguidos. Abatidos. Paulo entendeu muito bem o que significava suportar o constante flagelo dos problemas. Aliás, é no caminho da provação que o servo aprende a largar seu próprio caminho e passa a andar no de Deus. Na verdade, o servo luta com dificuldades todos os dias.


3- Os servos têm uma proteção especial contra perigos sutis (Versículos 10 e 11).
 As pessoas que servem a Deus e aos outros ‘levam sempre no corpo’ os sinais de morte, perigos e ameaças muito reais. Sutis e silenciosos, esses perigos espreitam nos lugares mais inesperados, exigindo satisfação. O verdadeiro servo é uma pessoa bastante vulnerável.

Não nos enganemos, portanto. O servo genuíno, por mais útil, santo, altruísta e admirável que seja, é humano e está sujeito aos mesmos perigos que as outras pessoas enfrentam.

 

Eu, um servo?Dr. Charles R. Swindoll

crença em Deus
reconheça cristo, cruz
Charles R. Swindoll

Charles R. Swindoll tem dedicado a sua vida ao ensino preciso e prático da Palavra de Deus e sua aplicação. Desde 1998, atua como pastor-professor sênior na Stonebriar Community Church, igreja...

Ver todos os posts

Posts relacionados